aforismos e afins

03 junho 2005

Sartre, amor e consciência

EPC é um admirador quase enamorado de Sartre. Das suas crónicas no Público, de ontem e de hoje, destaco esta citação sobre a relação que Sartre tinha com Simone de Beauvoir, que terá inspirado tantos e tantos nas décadas que se seguiram: «Mas ela e Sartre constituíram um desses casais míticos do século XX. Cada um tinha amantes, e, no caso de Simone, havia homens e mulheres. (...) Mas tiveram um princípio que suscitou o espanto e admiração de várias gerações: defenderam uma relação fundada numa transparência absoluta. Porque não há em Sartre espaço para o inconsciente.» A ênfase é minha, e no seguimento do poema de ontem, aponta mais uma vez para a impossibilidade do inconsciente, a dureza de não se conseguir libertar de um estado de consciência permanente e universal. Não espero que muitos entendam isto, porque para o entenderem era provavelmente necessário que sentissem o mesmo. É um caso de linguagem no fundo; e aqui a tradução é mesmo impossível.

3 Comments:

  • "impossibilidade do inconsciente, a dureza de não se conseguir libertar de um estado de consciência permanente e universal."

    Tens razão, não entendo isto, mas se puderes explicar-te melhor... Gostava.

    By Blogger Isabela, at 10:31 da tarde  

  • Acho que perceber até não será difícil, o difícil é sentir, ter essa vivência, que é a de um estado de consciência tão forte que até o inconsciente se torna imediatamente consciente... não é só jogo de palavras, é mesmo assim. Ter o cérebro em permanente atenção, analisar tudo, ter controlo sobre cada passo que dás. Por isso Pessoa disse essa frase "Tudo o que em mim sente 'stá pensando". Por isso Pessoa sonhava (acordado) com os sonhos verdadeiros que podia ter que o libertassem dessa consciência permanente. Por isso Pessoa bebia - muito - porque só a embriaguez o afastava sa sua própria sombra.

    Fez algum sentido o que disse? É que não estou bem consciente disso. Vou sonhar um pouco agora. Até já.

    By Blogger Tiago Mendes, at 11:17 da manhã  

  • Como já não vinha cá há muito tempo, nem reparei no post que está imediatamente acima deste. Acho que diz tudo aquilo que eu queria dizer, quanto à consciência, ao "peso" do pensar, até pensar a sensibilidade, e também ao escape difícil que é o sonho.

    By Blogger Tiago Mendes, at 11:24 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home