aforismos e afins

30 outubro 2005

In praise of workaholism

«A inspiração não depende de mim. A única coisa que posso fazer é ter o cuidado de que ela me encontre a trabalhar.» [Picasso]

10 Comments:

  • ... é coisa manhosa a inspiração, foge, encobre-se e esconde-se muitas vezes atrás de memórias e visitas passadas, mas quando reaparece a prória luz brilha com mais intensidade.

    (não gosto mt do word verification, mas acho que tb me vou render a ele...)

    By Blogger jmnk, at 11:37 da tarde  

  • Saudades dos teus comments, caro! A inspiração é manhosa, de facto... eu confesso que me rendo a ela e ando sempre com papel e caneta à mão para escrever o que me venha à tola... e quando não há, pareço um maluquinho a teclar no telemóvel, a gravar coisas na agenda!

    By Blogger Tiago Mendes, at 11:44 da tarde  

  • É isso mesmo pá ...

    By Blogger Ginja, at 11:59 da tarde  

  • Saudades também dos teus comments, Ginja! Estas derivas políticas têm estes efeitos colaterais, bem sei :)

    Não sei se concordas com a qualidade dos comments do jmnk, ou com o meu stress exagerado, mas imagino que até sejam as duas ;)

    By Blogger Tiago Mendes, at 12:01 da manhã  

  • (Thanks... tenho andado um pouco afastada, e sem acesso regular á net:P ...)

    Concordo com o facto de ser uma coisa manhosa e faço minhas as palavras de Picasso . Na música, inspiração é um instante medido a fracções de segundo. A maior parte do tempo trabalhas, trabalhas, trabalhas e nada. Mas às vezes, de repente, quando já te conformaste com os resultados de todos os dias, um rasgo qualquer ilumina-te na hora H e salva-te. Só que nunca sabes quanto tempo vai durar. Essa ingrata, nós sempre a dizer bem dela e a dita teimando em aparecer sem avisar !!!

    By Blogger Ginja, at 1:02 da manhã  

  • "Só que nunca sabes quanto tempo vai durar."

    POis... dependendo se é composição ou interpretação, há também o problema de fazer "perdurar" certa interpretação mágica que saiu dos dedos (e/ou dos lábios)... e conseguir repetir a dose. Se bem que sejamos umas óptimas máquinas, o "reprise" não é fácil.

    PS: imagina tu que hoje saiu um CD (gravado em Londres) do Domingos António! Eu ainda ia por um post sobre isso mas achei que era publicidade a mais... os lobbies falam bem alto, é o que é. [Ou então o Duarte Lima não percebe mesmo muito de interpretação, mas ok].

    By Blogger Tiago Mendes, at 1:13 da manhã  

  • Pois... esse é daqueles que dá a volta ao estômago .Vivemos num mundo onde o que conta é ter os padrinhos certos, porque lá está: todo o burro come palha, é preciso é saber dar-lha. Se uns não comem, há sempre outros que até se babam por ela. E duvido que essa amizade entre o Domingos e D.L. seja isenta e sã, quer do ponto de vista musical, quer do ponto de vista pessoal. Quando, lado a lado com a publicidade, a falta de qualidade artística (note-se que não digo falta de mérito e de esforço) é notória, há sempre mais qualquer coisa. E o melhor é nem saber . Mas pode ser que eu esteja errada e que haja apenas falta de ... gosto .

    By Blogger Ginja, at 9:40 da manhã  

  • "Quando, lado a lado com a publicidade, a falta de qualidade artística (note-se que não digo falta de mérito e de esforço) é notória, há sempre mais qualquer coisa."

    Na mouche. Também não me parece que "esforço" e "dedicação" lhe faltem. Mas a qualidade artística é por demais duvidosa. Logo, o "mérito" não seria muito aplicável, julgo... porque para o mérito não basta "transpiração", é preciso "inspiração".

    E, pegando na frase de Picasso, como o homem trabalha que se desunha... se a inspiração não dá sinais de vida, maybe there´s something structural about it!

    Enfim. Uma coisa é certa: quem toca como ele tocou o 1º andamento do Concerto nº 2 de RAchmaninov, não aparenta grande dote artístico. Podia ter-se atrapalhado, estaria até nervoso. Mas custa-me a crer que alguém que pegue aquilo não se sinta, passado os primeiros segundos de nervosismo, mais que inspirado a cavalgar aquelas pautas.

    By Blogger Tiago Mendes, at 9:53 da manhã  

  • Is it Spanish that you are writing? Because I learned to speak and write it 2 years and I can't understand much of it :-(

    By Blogger cappuccino, at 11:44 da manhã  

  • It's portuguese, my friend :)

    Very similar in writing, you should pick up the main meaning if you studied for a bit! ;)

    Anyway, here is a possible translation for this one:

    «Inspiration doesn't depend on me. So all I can do is to make sure I'm working in case she comes.» [Picasso]

    By Blogger Tiago Mendes, at 12:16 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home