aforismos e afins

29 novembro 2005

A Arte e o Outro (3)

«Para que a arte possa ser arte, não se lhe exige uma sinceridade absoluta, mas algum tipo de sinceridade. Um homem pode escrever um bom soneto de amor sob duas condições - porque está consumido pelo amor, ou porque está consumido pela arte.

Tem de ser sincero no amor ou na arte; não pode ser ilustre em nenhum deles, ou seja no que for, de outro modo. Pode arder por dentro, sem pensar no soneto que está a escrever; pode arder por fora, sem pensar no amor que está a imaginar.

Mas tem de estar a arder algures. De contrário, não conseguirá transcender a sua inferioridade humana.» [Fernando Pessoa]

4 Comments:

  • Fascinante. Daí "o poeta é um fingidor", etc.

    By Blogger Luis M. Jorge, at 5:06 da tarde  

  • Donde é que são retiradas as citações, caro Tiago?

    By Anonymous José Barros, at 5:12 da tarde  

  • Caro José Barros,

    Tenho-as escritas em papéis espalhados, pelo que estas não lhe consigo dizer em concreto. Recomendo, se lhe interessar a(lguma) escrita de Pessoa, que veja as edições da Assírio & Alvim. Destaco o "Aforismos e Afins" (julgo que terá sido daí) e o "Escritos Áutómaticos, Autobiográficos, e de Reflexão Pessoal".

    "Destaco". Porque "recomendar", recomendava mesmo tudo... by definition :)

    By Blogger Tiago Mendes, at 8:02 da tarde  

  • Caro Tiago Mendes, obrigado pelos "destaques". Já li muita coisa de Pessoa, mas não reconheci os excertos aqui publicados. Hei-de ler com mais atenção a escrita ensaística do grande poeta.

    By Anonymous José Barros, at 10:31 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home