aforismos e afins

15 novembro 2005

Ópios

Só que o "ópio dos intelectuais", como R. Aron chamava ao fascínio pelo comunismo de muitas figuras da cultura europeia, foi ainda mais aberrante em relação ao mítico Mao do que quanto ao comunismo soviético. (...) Será o ópio dos intelectuais coisa do passado? Não totalmente. Em intelectuais de direita que apostaram em Bush (muitos deles, aliás, vindos da extrema-esquerda) encontramos o mesmo tipo de paixão pela ideologia, agora de sinal contrário. A "forma mentis" é idêntica, com outros conteúdos. Ora não dá sossego ver o político mais poderoso do mundo orientado por pessoas dessas.

2 Comments:

  • És um tipo porreiro, Tiago.

    By Anonymous Nelson Martins, at 9:32 da tarde  

  • Porque é que no caso de Bush se criticam os assessores, e no caso de Mao se critica só o chefe?


    Antonio

    By Anonymous Anónimo, at 1:09 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home