aforismos e afins

05 junho 2005

Diário de um escriturário (1)

Praga. Praga. Praga. Esta cidade que me foi rogada e onde não encontro um só indivíduo que não me lance olhares acusatórios se lhe pergunto qual o caminho para o Castelo. Aqui me encontro, sem culpa formada. E, perdido que estou, só me resta metamorfosear-me.
A ver se um dia consigo lá subir. A ver se um dia consigo rir.

2 Comments:

  • Hehehehe. Não sei se tu realmente ris ou não, caro K., mas nós rimos certamente. E à brava. Boa. Bom post.

    By Blogger T. M., at 9:29 da tarde  

  • a rir tb estou. estamos, de facto. optimo post, mas culpa formada temos todos, não achas? salvo os mais tolos e mais cínicos...

    mas metamorfose é coisa dos outros, tua também? pensava que não...

    By Anonymous samsa, at 9:43 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home