aforismos e afins

22 junho 2005

Escutando Vergílio Ferreira (3)

«Para que percorres inutilmente o céu inteiro à procura da tua estrela? Põe-na lá.»

6 Comments:

  • Lindo =)
    (caro T.M, para evitar comment demasiado extenso, «respondo» à tua sugestão «Primeiro Amor» nos meus silêncios)

    By Blogger Gabi, at 11:14 da tarde  

  • Nada acontece antes de ser sonhado.
    Depois...é só fazer as coisas acontecer.

    By Blogger marta, at 1:40 da tarde  

  • ...podemos não ser donos do destino, mas temos um precioso trunfo: o livre arbítrio.

    By Blogger marta, at 1:52 da tarde  

  • Mas as coisas para acontecerem nao tem que ser sonhadas primeiro... mas lendo a frase de VF acho que percebo o que queres dizer, nesse contexto. Nada de "muito importante", que seja ao mesmo tempo "consciente", e que "dependa da nossa vontade" acontece sem ser planeado, ou sonhado, acordado ou nao. Ainda que haja os tais precalcos que a gente nao planeia, e onde e' tao bom tropecar... ;)

    Quanto ao destino acho que propoes um paradoxo giro: como ser "dono" do destino? Se fosses dono ele deixava de ser destino, ou nao? Passava simplesmente a ser "determinado" por uma pessoa (humana) em concreto.

    By Blogger T. M., at 2:14 da tarde  

  • Donos não somos. Mas temos livre arbítrio. Podemos escolher os caminhos e não nos limitarmos a serem eles a escolherem-nos.
    Vou pensar sobre isto. Já te falei sobre uns posts que escrevi sobre os acasos e as coincidências. Vou reler, e tentar escrever aqui algo de mais consistente.

    By Blogger marta, at 2:19 da tarde  

  • Como diz o bom português: mais vale tarde que nunca e o prometido é devido.
    A vida é um conjunto de coisas que nos é dada. Os acasos, as coincidências, são na verdade, tudo o que temos, para construir a nossa vida.
    Essas coisas, transcendem-nos, pois são acontecimentos relativamente aos quais não temos qualquer influência.
    Mas temos um trunfo: o livre arbítrio. De entre todos esses acontecimentos, podemos permitir ou não, a sua influência. Podemos escolher de entre eles, quais os que queremos considerar, para a partir dessa decisão, continuarmos o caminho, sempre fazendo uso desse trunfo, construindo assim uma vida inteira.
    No fundo, essa é a nossa estrela. A consciência da possibilidade de construir a vida da melhor forma possível, considerando o que nos é dado e o nosso livre arbítrio.
    Na vida, podemos ter quase tudo. Basta para isso estarmos atentos ao que se nos depara, para a partir daí, fazermos as melhores escolhas e as aproveitarmos da melhor possível.
    Os milagres existem. Estão vestidos da pele dos discretos acasos e coincidências.
    E nós, a maioria das vezes tão cegos, perante esse tudo que nos é dado - e que ainda por cima podemos escolher – à espera de tropeçar com a nossa estrela, nalgum golpe de sorte.
    Eu quero uma estrela muito azul. Brilhante como um sol. Assim que a tiver toda construída, vou pô-la bem alto no céu, onde todos a possam ver.
    E tu?

    By Blogger marta, at 11:25 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home