aforismos e afins

11 novembro 2005

Cavaco, Saramago, e Pedro Picoito

Caro Pedro Picoito: muita coisa nos une, e muita coisa nos separa. Entre outras - como esta casa, e o que ela representa - une-nos o desejo de ver Cavaco como presidente. Felizmente - acho que concordarás - isso não impede um olhar mutuamente crítico. Julgo que o que escreveste é extremamente falaccioso e não consegui evitar comentá-lo tão extensivamente quanto achei necessário.
A bem da lógica (e) da elevação do debate. Um forte abraço,

PS1: Leiam primeiro a entrevista a Saramago no DN (2 minutos).

PS2: Lamento discordar tão frontalmente contigo, caro António.

8 Comments:

  • Li a entrevista e, sinceramente, nao vejo nada de mais. Custa-lhe ver Cavaco na presidencia...e a mim tambem. O post do PP nao se justifica, pelo menos nao a partir desta entrevista em particular. A meu ver o Saramago ate foi contido.

    By Blogger Joao Galamba, at 12:08 da tarde  

  • Por muito que tente, continuo sem conseguir compreender a mistura ente arte e ideologia. Ou o a forma como o mais racional dos indivíduos se deixa, por vezes, controlar pela ideologia.
    Há pouco mais de um mês, na Sérvia, estive perante um fabuloso exemplar de um livro com fotografias de Leni Riefensthal. A Maria João (co-autora do No Mundo, entre outras coisas), lamentava-se por já não ter espaço na bagagem para levar o calhamaço. Eu brinquei com ela, dizendo-lhe que os nossos amigos comunistas iam trepar as paredes se vissem tal coisa aqui em casa. Mas cada vez mais acredito que não são apenas os comunistas (ou extrema-esquerdistas) que se indignam com a arte quando esta não vem dos seus. Afinal, o problema alarga-se a qualquer ismo.
    Eu também tive sérios problemas com Saramago. Custou-me muito começar a lê-lo porque, sejamos honestos, o homem cada vez que fala só diz parvoíces. Mas um dia abri um livro dele. E fiquei agarrado.

    By Anonymous CMF, at 5:15 da tarde  

  • Pois e' Carlos. Tambem me custa a perceber essa mistura. Ninguem nega o direiito ao gosto e 'a estetica. Mas misturar coisas - sobretudo com tanta "bilis", e sobretudo quando se e' uma pessoa culta - faz-me bastante confusao. TIvemos no Mao Invisivel grandes discussoes depois do Nobel de HArold Pinter. O Augusto M. Seabra tambem por la' passou (entre outros) e a discussao foi bastante interessante (e longa).

    "Eu também tive sérios problemas com Saramago. Custou-me muito começar a lê-lo porque, sejamos honestos, o homem cada vez que fala só diz parvoíces"

    Nao posso concordar mais contigo. Alias, nao percebo como e' que ele fala tao mal "formalmente". E o conteudo e' de bradar aos ceus. Nunca me esqueco do que ele disse quando foi a Cuba e lhe perguntaram o que ele achava da liberdade de expressao. Imagina a resposta:

    "Mas repare que no Algarve tambem ha' muita gente que nao pode ter acesso a hoteis de 5 estrelas - ja pensou como isso restringe a liberade delas?"

    Acho que dispensa comentarios ('a excepcao deste - hoje estamos em dia de incompletude godeliana) :)

    PS: viste este post do Miranda sobre formigas?

    http://ablasfemia.blogspot.com/2005/11/natureza-humana-iii.html

    By Blogger Tiago Mendes, at 5:24 da tarde  

  • Essa do Saramago e do Algarve eu não conhecia. Até dá vontade de rir, literalmente.
    Eu acompanhei a discussão no Mão Invisível. E reconheço ao Pedro Picoito, apesar de discordar profundamente dele neste ponto, grandes qualidades no debate. Gostei bastante.

    Sim, li o texto do JM. Nada de novo. E não percebi aquela "O formigueiro, muitas vezes tido como modelo para as sociedades humanas,...". Tido por quem? Só se for pelo E.O.Wilson que ele, como bom seguidor da sociobiologia, deve admirar. (se calhar sou eu que estou a ser ingénuo e afinal o formigueiro é mesmo modelo para muita gente) Mas deixemos isso, não vamos falar de quem não está presente...

    By Anonymous CMF, at 5:43 da tarde  

  • "Eu acompanhei a discussão no Mão Invisível. E reconheço ao Pedro Picoito, apesar de discordar profundamente dele neste ponto, grandes qualidades no debate. Gostei bastante."

    Sem duvida. TOtalmente.

    "Mas deixemos isso, não vamos falar de quem não está presente..."

    Claro. Era mesmo so' uma nota "informativa" e nao (necessariamente) convidativa ao debate prolongado e sobretudo nao certamente "critico" as such. Apenas me lembrei especialmente depois de ler os teus papers.

    By Blogger Tiago Mendes, at 5:47 da tarde  

  • Caro Tiago
    Afinal ando por cá. Obrigado pelos imerecidos elogios, mas isto é só para dizer que tentei responder-te lá no Pulo do Lobo mas aquela geringonça não me publica os comentários (tentei três vezes e desisti). Vou tentar postar, talvez. Mas não me leves tão a sério: és a única pessoa que me leva mais a sério do que eu próprio... E sobre o Saramago, já expliquei na MI porque é que o considero inflacionado comparando-o com o original: Raduan Nassar.

    By Blogger Pedro picoito, at 12:38 da manhã  

  • Já não percebo nada: afinal aquela treta publicou-me logo o primeiro comentário. Vai lá ver.

    By Anonymous Pedro Picoito, at 1:47 da manhã  

  • Já vi, caro Pedro, achei óptimo :)

    Só mesmo tu para ultrapassares assim as minhas expectativas e "en passant" a questão em si mesma :)

    Abraço,

    By Blogger Tiago Mendes, at 2:17 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home