aforismos e afins

08 junho 2005

Buraco negro

amor quando é refúgio
não é amor é co-existir
é orbitar em redor do outro
no receio do divergir

amor que é amor
é sendo a luz do teu sorrir
querer-te buraco negro
entrar e não mais sair

3 Comments:

  • Lindo!

    By Blogger Teresa, at 3:18 da tarde  

  • O comentário segue ao meio do caminho, mas não posso deixá-lo escapar. Queremos, todos, o buraco negro, o vazio onde só exista a vivência do "amor que é amor".

    Um vácuo tão grande que nos absorva e nos prenda sem que saibamos que existe resto, que existe fora, porque então não há de existir.

    Toda a matéria reduzir-se-á a nada; por isso talvez a imagem do buraco negro me pareça, se permites o plágio, tão preci(o)sa...

    By Blogger Daniela, at 9:55 da tarde  

  • Vácuo que nos deixa fora do mundo, acho que é isso. Sendo repetitivo, seu comentário é também ele preci(o)so :)

    By Blogger Tiago, at 10:08 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home