aforismos e afins

23 novembro 2005

Aos austríacos e demais reducionistas

Falácia da Composição:

«Por as partes de um todo terem uma certa propriedade, argumenta-se que o todo tem essa mesma propriedade. Esse todo pode ser tanto um objecto composto de diferentes partes, como uma colecção ou conjunto de membros individuais.»

Exemplo: As células não têm consciência. Portanto, o cérebro, que é feito de células, não tem consciência.

Tenho a certeza que há muito boa gente por aí que sente uns prazeres especiais - mesmo "divinais" - em sugerir recorrentemente argumentos reducionistas deste género. Convido-os, a eles e aos demais interessados, a estarem atentos à crítica que o João se prepara para fazer à muito falada Escola Austríaca. O convite ao debate é feito aqui, e o primeiro capítulo já está disponível. Estou seguro que o Manuel Pinheiro vai apreciar a contribuição.

Ao João, digo isto: força nas canelas. Sobe-me essa montanha com muito garra, mas em ritmo controlado, sem perder de vista o pelotão. Uma boa fuga, sabes bem, não pode ser reducionista: tem de atender ao todo que a justifica e lhe dá significado. O que fará a estapa ter ainda maior emoção. Aqui do carro de apoio, como sempre, contarás com todo o carburante que conseguir dar para essa esforçada, necessária, e meritória combustão.

2 Comments:

  • "«Por as partes de um todo terem uma certa propriedade, argumenta-se que o todo tem essa mesma propriedade. Esse todo pode ser tanto um objecto composto de diferentes partes, como uma colecção ou conjunto de membros individuais.»

    Exemplo: As células não têm consciência. Portanto, o cérebro, que é feito de células, não tem consciência."

    Vejo entao que concordas com a ideia de que a Macro-economia e' mais do que Micro-economia agregada...

    By Anonymous LA-C, at 12:57 da tarde  

  • Eu concordo é que a Microeconomia agregada é mais do que a soma das partes individuais... quer por efeitos estratégicos, quer pelo que o "conjunto" traz de novo...

    ...agora chamar a essa agregação Macroeconomia é um passo não necessariamente lógico.

    Prefiro o Schelling, e esse grande livro: "Micromotives and Macrobehaviour".

    Mas claro que percebo o que dizes e não posso discordar "completamente". Só queria alertar para o facto de não haver conexão lógica... a não ser que definas Macroeconomia nesse sentido. O que é "natural", mas não necessariamente imediato...

    By Blogger Tiago Mendes, at 1:32 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home