aforismos e afins

15 fevereiro 2006

Mais achas para a fogueira

Antonio, a coisa parece estar ficar preta... ve la':

O azul parece favorecer a distincao entre "casal" e "par" que o Antonio defende, o vermelho nao. E' tudo uma questao de contar as espingardas - com a devida ponderacao, naturalmente.

A C A S A L A R
verbo transitivo
1. reunir em casal ou aos casais;
2. emparelhar;
3. completar o par de;
verbo intransitivo e reflexo
reunir-se em casal para a procriação;

E, ja' agora, olhemos para a lingua inglesa que, como nao sera' de admirar, e' bem mais liberal, nao fazendo a tal distincao do genero que tem acalentado a discussao:

C O U P L E
1. Two items of the same kind; a pair.
2. Two people united, as by betrothal or marriage.
3. Two people together.

P A I R
1. Two corresponding persons or items, similar in form or function and matched or associated: a pair of shoes.
2. One object composed of two joined, similar parts that are dependent upon each other: a pair of pliers.
3. a. Two persons who are married, engaged, or dating.
3. b. Two persons who have something in common and are considered together: a pair of hunters.
3. c. Two mated animals.

Recordo ainda as definicoes que despoletaram a discussao:

C A S A L
1. conjunto de macho e fêmea;
2. homem e mulher;
3. par; parelha;

P A R
1. conjunto de duas pessoas ou de dois objectos; parelha;
2. conjunto de duas pessoas, geralmente homem e mulher, na dança

[portugues, do dicionario online da Porto Editora, ingles, do www.dictionary.com]

Antonio, como e'? O que (tencionas) fazer quando (quase) tudo arde?

15 Comments:

  • Bolas... logo esta discussão de que depende a perpetuação da espécie humana e do futuro da Humanidade, e eu tenho de invocar a minha insensibilidade cromática!

    (uma disfunção muito liberal, convenhamos, está-me nos genes!) =)

    By Blogger AA, at 3:21 da tarde  

  • Estas a gozar ou a falar a serio? Diz-me que cores queres que eu escolha entao. Da-me pelo menos 3 pares [ou casais] de alternativas, para eu poder ter alguma liberdade de escolha.

    PS: gostei do eufemismo "insensibilidade cromatica", como quem diz idoso e nao velho, seu daltonico dum raio* ;)

    *ja' me acusaram do mesmo, mas acho que consigo jurar a pes juntos que aquilo que escolhi e' vermelho e azul, espero que o Humpty Dumpty nao ande por aqui para por isso em causa. Geralmente envolvo-me em grandes lutas sobre o verde e o azul quando falamos de "azul marinho" ou entre azul e cinzento quando estamos em altitudes elevads a olhar pela janela sobre a asa. Nao ha' pachorra para a malta que acha que nos e' que somos daltonicos! :)

    By Blogger Tiago Mendes, at 3:32 da tarde  

  • Este comentário foi removido por um administrador do blogue.

    By Blogger aL, at 4:50 da tarde  

  • é engraçado... mas é suposto que uma mulher [um ser humano do sexo feminino] daltónica seja como que uma dupla anormalidade [significando aqui anormalidade como fora da norma, do habitual, da moda - moda enquanto dado estatístico], mas eu também confundo um pouco os verdes com os azuis [felizmente, em termos cromáticos são cores que se emPARelham - ;) - com a mesma paleta de cores - que que podem (re]produzir outras cores - , nunca cometo grandes atentados ao bom gosto, e se os cometer, bastará erguer o queixo 5º em relação ao chão e passo a ser uma radical da moda, lol].

    mas acho que o meu maior problema é o nome das cores, lá está as palavras! e o significado das palavras é importante. quando uma palavra pode ter 2 sentidos [significados] diferentes [e quase que antagónicos] determinado individuo não deve [lá está, mais uma questão moral...] sentir-se ofendido, por o seu interlocutor o questionar quando ao significado de determinada palavra. serve apenas para que haja uma sintonia de conceitos, apenas isso...

    mas cada um abre o peito para as balas que quizer apanhar...

    By Blogger aL, at 4:56 da tarde  

  • "mas cada um abre o peito para as balas que quizer apanhar... "

    Grande frase, o' Alaide... eu ate' acrescentaria que quem enche o peito de ar se poe a jeito para ser baleado, ja que passa a ocupar um volume maior no espaco tridimensional que nos rodeia.

    By Blogger Tiago Mendes, at 5:02 da tarde  

  • a expressão "por-se a jeito" é um pouco perversa tendo em conta o contexto mais abrangete desta discussão, não??? ;)

    By Blogger aL, at 6:05 da tarde  

  • Cara Alaíde:

    "(...)mas é suposto que uma mulher [um ser humano do sexo feminino] daltónica seja como que uma dupla anormalidade [significando aqui anormalidade como fora da norma, do habitual, da moda - moda enquanto dado estatístico], mas eu também confundo um pouco os verdes com os azuis"

    Uma mulher daltónica é algo extremamente raro, dada a hereditariedade da doença (a mulher precisa de dois cromossomas X afectados) enquanto que no homem é muito mais prevalente, já que possui um só cromossoma X. Mas a mulher mesmo que tenha um cromossoma X saudável e outro daltónico, não tem uma visão 100% normal, já que as células da visão escolhem aleatoriamente o cromossoma X. Porém, as células "boas" geralmente compensam as "más". Geralmente...

    Desculpem interromper a discussão com esta dissertação, mas não resisti...

    By Blogger Bruno Gonçalves, at 6:10 da tarde  

  • "a expressão "por-se a jeito" é um pouco perversa tendo em conta o contexto mais abrangete desta discussão, não??? ;)"

    Pode ser, mas nao usei nesse sentido. Quem usou uma vez esta expressao foi um certo senhor acidental, e desde ai que a uso sem sentidos duplos.

    "Mas a mulher mesmo que tenha um cromossoma X saudável e outro daltónico, não tem uma visão 100% normal, já que as células da visão escolhem aleatoriamente o cromossoma X"

    Seu machista inveterado. Tudo depende do conceito de normal. Porque e' que a visao dos homens ha-de ser o "normal" e nao o contrario? Vamos la' a queimar soutiens, pois entao.

    [Calma, Alaide].

    By Blogger Tiago Mendes, at 6:16 da tarde  

  • "Seu machista inveterado. Tudo depende do conceito de normal. Porque e' que a visao dos homens ha-de ser o "normal" e nao o contrario?"

    Calma Tiago, eu não disse que a visão "normal" era masculina... :) Apenas disse que no homem não existia meio-termo!

    "Vamos lá a queimar soutiens, pois entao." Não sei porquê, mas parece que andas a ser influenciado pelos media Tiago... ;)

    By Blogger Bruno Gonçalves, at 6:22 da tarde  

  • bruno, é exactamente esse o meu ponto! o daltonismo é uma anormalidade genetica [um defeito, algo que sai da norma] uma mulher ser daltónica, para além da anormalidade genética é uma anormalidade estatística, dado que a moda é ser o homem a sofrer de daltonismo...

    meu querido tiago, só para teu conhecimento ando a ler sobre o tema "as mulheres enquanto bens transaccionáveis" e historicamente não me repugna...

    e por favor odeio essas hippies que queimaram os soutiens? olhem no que elas se tornaram: uns seres disformes com mamas aos pés, lol

    By Blogger aL, at 6:32 da tarde  

  • Bruno, calma. Estava a tentar ter humor/ironia nas duas citacoes. Andas muito serio, pa'.

    Um abraco,

    [E nao me leves tao 'a letra.]

    PS: e em "gender issues" nao me deixo influenciar por muita gente, certamente que nao pelos media.

    By Blogger Tiago Mendes, at 6:42 da tarde  

  • "só para teu conhecimento ando a ler sobre o tema "as mulheres enquanto bens transaccionáveis" e historicamente não me repugna..."

    Ah, muito bem. Contudo, esta' tudo dito nesse "historicamente", que implica 'a partida uma rejeicao de tal fenomeno nos tempos de hoje (nao estou a defender ou a atacar, apenas a "apontar"). Mas por hoje chega de "gender issues" (se e' que posso pedir treguas).

    By Blogger Tiago Mendes, at 6:50 da tarde  

  • Tiago, eu percebi que estavas a brincar. Já te conheço razoavelmente bem... E quanto aos media, não era para levares a sério... ;)

    By Blogger Bruno Gonçalves, at 6:56 da tarde  

  • Ok, entao fui eu que te levei demasiado (ou totalmente) a serio - sorry, then! ;)

    By Blogger Tiago Mendes, at 7:04 da tarde  

  • «Contudo, esta' tudo dito nesse "historicamente", que implica 'a partida uma rejeicao de tal fenomeno nos tempos de hoje» implica a total rejeição de tal fenómeno no mundo ocidental, compreendo que esse fenómeno exista no mundo não ocidental, mas lutarei para que tal deixe de ser uma carateristica de determinadas sociedades...

    e vá lá, volta para a tua toca sabática! bom trabalho e obrigada ;)

    By Blogger aL, at 9:04 da tarde  

Enviar um comentário

<< Home