aforismos e afins

24 novembro 2005

Água na fervura



KM: «I told you and your blog-partner not to get into those endless discussions about religion, morality, and sexuality...
Will any of you ever listen to what I have to say? Besides, it is so much more interesting to simply publish a picture of myself.»

TM: «Indeed, my darling, indeed... I absolutely agree. I did warn my blog-partner to be cautious, and to avoid getting too excited with those issues - even more as I think I know him quite well...
He gets a bit too sensitive sometimes. But, well... some things are just bound to happen, I guess. Not much point in crying over spilled milk. You are here now, and that's what matters most.»

12 Comments:

  • loooool. E de facto mais atraente que qualquer homossexual que eu conheca...

    By Blogger Joao Galamba, at 10:57 da tarde  

  • João, cuidado que esse teu comentário pode ser considerado «inconstitucional». E pode haver aí malta jurídica à espreita que te queira apanhar, meu homofóbico escondido.

    Eu diria assim: "É de facto mais atraente que qualquer homem que eu conheça".

    Isso.

    Embora eu confessa que nesta foto, ela está com um ar tão (invulgarmente) angelical, calmo, e ternurento, que eu talvez preferisse o adjectivo "bela", ou "bonita".

    Mas tu põe-te a pau com a Brigada dos não sei quantos, seu intolerante.

    Fásssistita.

    :)

    By Blogger Tiago Mendes, at 11:33 da tarde  

  • PS: Isto para não falar no facto de que o adjectivo "atraente" (já parece a discussão ad eternum de hoje da neutralidade e universalidade) só ganha algum valor - só não é vazio - se o sujeito que o usa for "passível" de se sentir atráido por ambos os sexos. Se não, é claro que "atraente" - por definição será apenas, um deles. Não sei o nome desta falácia, e já é muito tarde para ir ver, mas acho que se percebe. Não podes usar "formalmente" este adjectivo se não houver por detrás algo de "substantivo".

    (Isto não é obviamente pessoal nem estamos para aqui a falar dessas coisas, é apenas um ponto "formal", "lógico", espero que este não vá até aos 50 e tal comentários!!!).

    :)

    By Blogger Tiago Mendes, at 11:37 da tarde  

  • RELATIVISMOS:

    1. «E de facto mais atraente que qualquer homossexual que eu conheca...» eu, de facto, conheço homossexuais bem mais atraentes!

    2.« "É de facto mais atraente que qualquer homem que eu conheça".» eu conheço homens bem mais atraentes!

    seus intolerantes, sexistas!!!

    By Blogger aL, at 11:41 da tarde  

  • só tenho um adjectivo; gostei

    By Blogger jmnk, at 11:55 da tarde  

  • "...se o sujeito que o usa for "passível" de se sentir atráido por ambos os sexos..."
    mas que incongruencia e esta?!
    I guess you got lost, again!
    parafraseando-te isto e um ponto "logico"/"formal", alias eu diria obvio: a ausencia de atraccao pelos dois sexos, por exclusao fa-la muito mais atraente que qualquer homem, Or I got myself lost?!
    Who cares, she is...desirable !

    By Anonymous Pedro Andrade, at 12:26 da manhã  

  • "a ausencia de atraccao pelos dois sexos, por exclusao fa-la muito mais atraente que qualquer homem"

    Claro, caro Pedro... é isso que não lhe dá grande sentido. É o mesmo que perguntares a um vegetariano se prefere TOFU a carne de vaca. Simplesmente, a preferência dele não revela nada, porque ele não está à partida "disponível para apreciar" a alternativa que lhe é dada. Como não consegue apreciar, a sua qualificação *comparativa* não tem qualquer valor enquanto tal.

    No caso da atracção, dizer aquilo que o João ou tu disseste, é um statement óbvio - tautologico. Certo. Nesse sentido é indesmentível. E é por isso mesmo que, sendo NECESSARIAMENTE verdade do ponto de vista LOGICO, não tem NENHUM valor do ponto de vista ESTETICO. É vazio de valor como apreciação.

    Ou seja, é uma "conclusão" necessária da premissa "só me sinto atraído por mulheres" (logo, esta foto é muito mais atraente que qualquer homem, logo, qualquer homem homossexual), e não um juízo de valor com "autoridade" do tipo "sendo atraído por ambos os sexos, declaro que esta foto é muito mais atraente que A ou B".

    É a diferença toda entre uma conclusão lógica, necessária, sem valor estético, e uma declaração não necesariamente consequente, e por isso mesmo com valor em si mesmo "fora dela" - pela realidde que tenta caracterizar através da comparação.

    PS: é impressão minha ou isto está a debandar para filosofias a mais? Poor Kate, sorrrrry!

    PS2: estuo a brincar: todos os comments são bem-vindos.

    By Blogger Tiago Mendes, at 12:44 da manhã  

  • Pois Tiago de facto isto esta a descair para o non sense, mas nao consigo deixar ficar, nao tanto pela Kate mas porque a laia de tantas opiniao as vezes entramos em contradicoes.
    O discurso dos vegetarianos nao faz qualquer sentido, ora vejamos: temos todos que ser experimentadores para sermos apreciadores (e eu que pensava que tinhamos que ser exploradores...)?! Se sim entao a orientacao sexual e uma escolha que obviamente depende do numero e da variedade das experiencias que cada um foi exposto (ou se expos). Pois parece-me que aqui estamos os dois de acordo, nao e uma escolha!

    By Anonymous Pedro Andrade, at 1:23 da manhã  

  • Calma, Pedro. O exemplo dos vegetarianos era uma "analogia". Apenas pretendia realçar que quando tu não pões sequer a hipótese de "consumir" algo - ou "sentires-te atraído por" (analogia algo forçada, ok) - não faz sentido achar que uma escolha tem qualquer valor enquanto apreciação valorativa.

    Estamos de acordo que a OS não é uma escolha. Ora o problema é que o ser "apreciador" nos dois casos usados para analogia tem sentidos diferentes. No caso da OS, esta não requer "experimentação" (a atracção existe ANTES e independentemente da experimentação, embora naturalmente possa ser evolutiva), enquanto o exemplo da comida requer. Nenhuma analogia é perfeita, senão não era analogia, era identidade :)

    O busilis da questão está ai. Não é preciso experimentar para ser apreciador no caso da OS mas sim da carne da vaca (mesmo isso não é lícito, porque a pessoa pode nunca ter experimentado, por motivos religiosos, por exemplo).

    O ponto é somente que se não TENS HIPOTESE de sentir alguma atracção por algo - tenhas ou não experimentado - o teu juízo de valor vale muito pouco.

    abraço,

    By Blogger Tiago Mendes, at 1:32 da manhã  

  • Pois ja e tarde e continuo em profundo desacordo!
    Havia ainda umas quantas coisas a acrescentar, mas agora quero dar-te os meus parabens pelo modo como moderas este espaco de discussao!
    Well done mate!

    By Anonymous Anónimo, at 2:02 da manhã  

  • Obrigado, mate! "Amanhã há mais" :)

    By Blogger Tiago Mendes, at 2:07 da manhã  

  • Continuo a preferir Hayek.

    By Blogger André Azevedo Alves, at 11:56 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home